Cultura

Gastronomia cinco-estrelas e brasileira

Por Suzana Barelli

Nesta quarta-feira, a chef mineira Mônica Rangel, proprietária do restaurante Gosto com Gosto, em Visconde de Mauá (RJ), recebeu o cartaz ao lado do publicitário Juan Corbalán, da Gastrô Comunicação. Foi um presente inesperado, que a deixou bem emocionada, e que já ilustra a campanha de Mônica para que a gastronomia brasileira seja a estrela dos restaurantes dos bons hotéis de nosso país.

Explica-se: a chef conheceu o artista em um evento em Maceió (AL) e lhe contou sobre sua campanha pela valorização da nossa gastronomia. Em junho de 2010, a Portaria número 100 do Ministério do Turismo determinou a reclassificação da rede hoteleira do Brasil. Nela, uma das condições para um hotel obter as cotações mais altas (quatro ou cinco-estrelas) é a obrigatoriedade de ter um restaurante de cozinha internacional. A exigência despertou a indignação de Mônica, que entrou em contato com a Embratur para mostrar como esta regra é descabida e vai na contramão do trabalho de reconhecer as riquezas de nosso país, entre elas, a nossa gastronomia.

Desde então, a chef lidera uma campanha pelo reconhecimento da gastronomia tupiniquim na rede hoteleira brasileira. Mônica já foi escolhida pela Embratur como parceira em um projeto que pretende usar a gastronomia brasileira para promover o turismo por aqui. “É uma oportunidade de mudar a visão que o Exterior tem da gente”, afirma a chef. O formato desta parceria ainda não está definido, mas é uma demonstração de que a campanha de Mônica já rende bons frutos – para a sorte da nossa gastronomia.