Cultura

Mais sobre plantas não convencionais

Por Cintia Oliveira

Segundo reportagem publicada na edição deste mês da Menu (177), plantas que surgem espontaneamente na natureza – e são tratadas como “daninhas” – podem esconder um grande potencial gastronômico – algo que tem feito brilhar os olhos de inúmeros chefs brasileiros.

Não se tratam de iguarias. Pelo contrário. Essas plantas podem ser encontradas em toda parte. É o que mostrou o professor e pesquisador do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas (IFAM), Valdely Kinupp, durante um passeio pelo parque do Ibirapuera, em São Paulo. Responsável pela criação da sigla Panc (Plantas alimentícias não convencionais), o pesquisador se dedica ao estudo das possibilidades alimentares de algumas plantas e defende a inclusão destas espécies à mesa do brasileiro.

A reportagem de Menu acompanhou o pesquisador numa manhã de caminhada e, em meio a paisagem, ele encontrou cerca de 30 espécies de plantas alimentícias. Destas, ele fez uma seleção de oito plantas espontâneas, que podem estar presentes em qualquer jardim, mas merecem ir para a mesa do brasileiro:

língua-de-vaca


Nome científico: Rumex spp.

Características e utilização: hortaliça com folha de sabor levemente ácido, que pode ser utilizada no preparo de saladas, bolinhos, além de cozida com polenta, arroz, etc.

folha-pepino


Nome científico: Parietaria debilis

Características e utilização: urtiga não-urticante de sabor delicado, tem aroma e sabor que remetem ao pepino. Pode servir como base no preparo de saladas, de frituras como o tempurá, além de decoração de pratos.

caruru (ou bredo)


Nome científico: Amaranthus viridis L.

Características e utilização: muito popular na Bahia, as folhas da hortaliça é uma boa fonte de betacaroteno e tem um sabor que remete ao espinafre. Geralmente, as folhas são consumidas cozidas.

tanchagem


Nome científico: Plantago australis

Características e utilização: espécie herbácea muito utilizada para fins medicinais, já que tem efeito cicatrizante e antiinflamatório. Na cozinha, as folhas podem ser utilizadas no preparo de pães e bolos. No Sul do Brasil, as sementes são consumidas in natura.

capiçoba


Nome científico: Erechtites valerianaefolia

Características e utilização: A hortaliça tem sabor levemente amargo, que lembra a couve. Pode ser consumida refogada e servida como guarnição de pratos como arroz, feijão e angu.

 

 

 

aipo-chimarrão (ou salsinha selvagem)


Nome científico: Apium leptophyllum (Pers.) F. Muell

Características e utilização: Utilizada para fins medicinais, a planta que é empregada no tratamento de úlceras e irritações da pele, pode ser utilizada tanto como hortaliça quanto condimento. Pode substituir ervas como a salsinha, por exemplo.

mentruz


Nome científico: Coronopus didymus

Características e utilização: muito consumida pela população rural nas regiões Sul e Sudeste do País, as folhas dessa hortaliça geralmente são consumidas cruas, na forma de salada.

couvinha (ou arnica)


Nome científico: Porophyllum ruderale

Características e utilização: A hortaliça tem um sabor que lembra o coentro. Além de substituir o coentro, pode ser utilizada tanto em saladas quanto no preparo de cozidos e sopas.