Bebida

Carnaval sem vinho

Por Suzana Barelli

Durou menos de oito anos a passagem do cantor Bell Marques, então líder da banda baiana de axé Chiclete com Banana, no mundo do vinho. Em 2005, o cantor e sua mulher, Aninha, fundaram a Ana Import, importadora com sede em Salvador e filial em São Paulo, que está encerrando as suas atividades neste início do ano.

Na época, o lançamento da importadora tinha como destaque a linha de vinhos  Chicleteiro, elaborado pelo enólogo argentino Mauricio Lorca. A aposta de Marques era que o vinho seguiria o sucesso de sua banda, seria consumido pelos fãs do carnaval baiano e, assim, teria venda garantida. Mas a realidade foi outra. O tinto era bem elaborado, de qualidade, mas não emplacou, talvez pelo seu nome, que pouco diz para os apreciadores da bebida; talvez porque as pessoas que gostam de ir atrás do trio elétrico prefiram outras bebidas alcoólicas.

De lá para cá, a Ana Import ampliou seu portfolio – um dos bons nomes do vinho argentino, a vinícola Monteviejo e sua linha Lindaflor, são exclusivos da empresa – e acabou descontinuando o Chicleteiro. Agora, Bell Marques decidiu sair de sua banda para tentar a carreira solo – ele fica até o carnaval à frente do trio – e fechar as postas da importadora, que era comandada por sua mulher.

O fechamento da Ana Import é um sinal de que muitas importadoras de vinho estão enfrentando problemas financeiros, fato causado, principalmente, pela valorização do dólar e do euro frente ao real.