Bebida

Freixenet fará espumantes no Brasil

O novo Xb, da espanhola Freixenet feito nas adegas da brasileira Miolo

Por Suzana Barelli

A Freixenet, líder no mercado de cavas espanhóis, decidiu apostar fortemente no mercado brasileiro. O seu primeiro espumante nacional, batizado de Xb, será lançado em nosso mercado no início de junho, com preço sugerido de R$ 42. O vinho, um blend de chardonnay e pinot noir, é elaborado nas adegas da Miolo, no vale dos Vinhedos.

O novo espumante foi desenvolvido numa parceria entre os enólogos José Montilla, da unidade da Freixenet na Argentina, e Miguel de Almeida, da Miolo. O espumante é elaborado pelo método tradicional, no qual a segunda fermentação, aquela que dá origem às borbulhas, acontece nas garrafas. A bebida fica nove meses em contato com as leveduras, o mesmo tempo dos cavas espanhóis.

A ideia de ter um espumante brasileiro é resultado direto dos bons resultados do grupo espanhol no Brasil. Nos últimos cinco anos, as vendas de seus cavas, em destaque, e também de seus vinhos tranquilos cresceram 225% por aqui, chegando a 840 mil garrafas. Apenas no ano passado, quando o mercado registrou queda da importação de vinhos, o aumento da Freixenet, em volume de venda, foi de 17% em comparação com 2012.

Com a curva ascendente em vendas, a Freixenet decidiu partir para a produção local no final de 2012. No ano passado, visitou três vinícolas brasileiras e optou por fechar uma parceria com a Miolo. “Foi a vinícola que nos inspirou maior confiança e que tem capacidade de atender a nossa demanda”, afirma Pedro Ferrer, o presidente mundial da marca, em entrevista exclusiva para a Menu. Ferrer veio pela primeira vez ao Brasil nesta semana para conhecer seus novos parceiros.

A ideia é produzir 60 mil garrafas neste primeiro momento, volume que deve ser comercializado no segundo semestre de 2014. Mas o plano, ambicioso, é chegar a 1 milhão de garrafas vendidas nos próximos cinco anos. E se as metas forem novamente atingidas, o plano de Pedro Ferrer é investir numa vinícola no Brasil. Este é um modelo que a Freixenet já optou em expansões em outros mercados, como na Califórnia. Nos Estados Unidos, a vinícola começou com uma parceria local e, com os resultados positivos, apostou no negócio próprio. “É lógico ter um parceiro local, antes de partir para um  investimento mais significativo”, afirma o presidente, da quarta geração da família a comandar a empresa fundada em 1861.

Atualmente, a Freixenet elabora espumantes na Espanha, nos Estados Unidos, na França, no México, na Austrália e na Argentina, num total de 120 milhões de garrafas por ano. Somado aos vinhos tranquilos, são 200 milhões de garrafas por ano.