Comidas

Provamos o novo hambúrguer gourmet do McDonald’s. Confira o resultado

Sanduíche gourmet do McDonald's tem pontos positivos, mas deixa a desejar (foto: Felipe Gabriel/ Agência IstoÉ)

por Cintia Oliveira

Lembra do raio gourmetizador, aquele meme consagrado na internet que faz sátira de uma comida banal que ganha um toque de sofisticação? Pois é. Parece que nem o McDonald’s escapou dessa. A rede de fast-food acaba de lançar no Brasil o ClubHouse – Signature by McDonald’s, o primeiro hambúrguer gourmet da rede. À primeira vista, o sanduíche lembra uma versão gourmetizada do Big Mac, carro-chefe da marca, graças aos dois hambúrgueres (100% carne bovina, como exalta a propaganda), alface, queijo, molho especial e cebola (caramelizada, só para dar um toque gourmet). Mas as semelhanças param por aí. O ClubHouse vem ainda com bacon rústico, cheddar suave e cebola caramelizada, servido em pão tipo brioche.

O lançamento, alardeado em banners, propagandas de TV e por blogueiros de gastronomia, que o descreviam como a oitava maravilha do mundo dos hambúrgueres nas redes sociais, despertou a nossa curiosidade. Será que é tão bom quanto dizem? Movidas por algumas expectativas (e certo senso de realidade, diga-se de passagem), eu e a redatora-chefe da Menu, Beatriz Marques, provamos o sanduíche nesta segunda-feira (29) numa lanchonete localizada no bairro da Lapa, em São Paulo.

Beatriz Marques (à esq.) e Cintia Oliveira provam o hambúrguer gourmet do McDonald's (foto: Kareen Sayuri)

Beatriz Marques (à esq.) e Cintia Oliveira provam o hambúrguer gourmet do McDonald’s (foto: Kareen Sayuri)

Diferentemente dos outros sanduíches da rede, nada de caixinha ou embrulho de papel: o hambúrguer gourmet é servido numa bandeja aberta e apenas forrada com papel-manteiga. Ainda vem com uma charmosa bandeirinha de plástico espetada no hambúrguer. O ponto forte do sanduíche é pão tipo brioche, que tem sabor amanteigado e textura firme, que ajuda a trazer certa estrutura ao sanduíche. Outro aspecto positivo é o bacon rústico (bacon é vida, não é mesmo?): macio, em porção generosa no sanduíche, tinha bom equilíbrio entre carne e gordura.

Já os pontos fracos começam na cebola caramelizada, que ficou só na promessa. Em nenhum dos quatro lanches adquiridos pela reportagem havia um cubinho sequer do ingrediente. E o molho especial lembra uma maionese pesada e gordurosa, tem excesso de condimentos como páprica e pimenta-do-reino, e sabor excessivamente ácido, capaz de roubar a cena numa mordida. Já o tal do cheddar suave, nada mais é do que um queijo processado com sabor artificial, em tom amarelado.

E a carne, que obviamente é a grande estrela do sanduíche, não foge do padrão da lanchonete: textura emborrachada, bem passada e sem sal. O ClubHouse vem com dois hambúrgueres, com espessura de 1 cm cada, o que pode ser um prato cheio para quem tem apetite de sobra.

Conclusão: deve-se reconhecer certo empenho por parte da rede em elaborar um sanduíche diferenciado. Apesar de ser bem razoável para os padrões do McDonald’s, é melhor os fãs da rede ficarem com os sabores já conhecidos. Afinal, o ClubHouse custa R$ 24,90 e, escoltado por batatas fritas e bebida, chega a R$ 29,90, preço considerado salgado. Para se ter uma ideia, um hambúrguer artesanal com queijo, cebola-roxa, tomate e alface custa R$ 18 no Bullguer, de São Paulo, e o original (hambúrguer artesanal de 160 g, queijo cheddar, cebola caramelizada, bacon e maionese caseira no pão preto) servido no Holy Burger, de São Paulo, custa R$ 27. Ou seja, se quiser algo diferente, melhor comprar em hamburguerias com a carne mais saborosa, no ponto desejado e com preço semelhante.