Cultura

Tiago Abravanel é fã da boa mesa

De volta aos palcos na pele do Snoopy, o ator é bom de garfo, mas seu talento no teatro não se estende à cozinha (foto: divulgação)

por Cintia Oliveira*

“O cão só se tornou o melhor amigo do homem depois que ele inventou o biscoito canino.” Essa é apenas uma das deliciosas tiradas de Snoopy, simpático e irônico cãozinho interpretado pelo ator e cantor Tiago Abravanel no musical Meu Amigo Charlie Brown.

O espetáculo do cartunista norte-americano Charles M. Schultz narra as aventuras e dilemas de Charlie Brown (Leandro Luna) e sua turma. E tem como ponto alto o número musical Hora do jantar, no qual Abravanel vibra com a hora de comer e sonha com caviar e muitas outras delícias – tudo a ver com o ator, que também é fã da boa mesa, como você confere na entrevista a seguir.

Como tem sido a experiência de interpretar o Snoopy no teatro?
Tem sido muito interessante interpretar um cachorro. No meu caso, um cachorro gordo, que adora comer. Aliás, o telhado da casinha vermelha foi reforçado (risos).

Assim como o Snoopy, você também gosta de comer? Qual é a sua relação com a cozinha?
Adoro comer. E como eu sou muito fã de cozinha japonesa, quando estou em São Paulo vou muito ao restaurante Naru. Adoro o shimeji e o hot roll de lá.

E você se arrisca na cozinha?
É uma vergonha, mas não sei cozinhar absolutamente nada. Fiquei com vontade de aprender a cozinhar depois que vi aquelas crianças do MasterChef Júnior (exibido pela Band) dando um show na cozinha. Preciso correr atrás.

Já que adora comer, quem da sua família cozinha bem?
Nossa, tem várias pessoas da minha família que mandam bem na cozinha. Minha irmã Ligia, que é formada em gastronomia, mas atualmente é minha empresária, faz um risoto de queijo brie com medalhão ao molho de figo que é sensacional! E tudo que minha avó Alice (avó paterna) faz é delicioso: arroz, feijão e bife, até a pururuca que ela só faz na ceia de Natal (risos).

E se você pudesse fazer um jantar para o seu avô, Silvio Santos, o que faria?
Sabe que eu não sei? Talvez uma pizza, porque é mais fácil de fazer e fica pronta mais rápido.

* Entrevista publicada na edição 205