Comidas

Ingredientes nacionais dão nova cara a sobremesas natalinas

O naked cake (o já famoso “bolo pelado”) é feito com castanha de caju caramelizada e coco queimado (fotos: Julia Rodrigues; produção: Melissa Thomé)

por Pedro Marques* 

Chega à época de Natal e quem olha as prateleiras de mercados e confeitarias pode pensar que está na Europa: os quitutes têm frutas cristalizadas, castanhas, pistache, frutas vermelhas e outros ingredientes que vêm de fora. Não que haja algo errado com isso, afinal, sofremos uma forte influência dos portugueses, que também valorizavam muito a doçaria francesa. Mas chama a atenção a ausência das nossas frutas e castanhas à mesa. Uma leva de chefs confeiteiros, porém, está olhando mais para os produtos locais e mudando esse cenário, criando doces – inclusive os natalinos – com uma cara mais brasileira, que vão de panetones com banana, caramelo e farofa doce até torrone com pasta de caju.

“Usar os ingredientes brasileiros facilita”, afirma a confeiteira Lia Quinderé, da Sucré, de Fortaleza (CE). Uma das vantagens, segundo a chef, é a qualidade, já que “o produto nacional chega em melhores condições do que o importado”. Sem falar no preço. E foi com essa vontade de valorizar as frutas e castanhas locais que Lia lança este ano uma linha de doces natalinos com ingredientes brasileiros. “Algumas coisas já conhecia, outras descobri nas minhas viagens de trabalho. A castanha de baru, que uso em uma rosca de Natal, fui conhecer quando participei do festival de Pirenópolis (GO). Fiquei encantada”, diz a confeiteira.

Já Joanna Martins, do restaurante Lá em Casa, em Belém (PA) e da empresa Manioca, que fornece ingredientes paraenses para restaurantes, vê mais chefs criando doces com essa pegada brasileira. “O público gosta de novidade e, às vezes, é mais fácil usar os produtos locais do que os estrangeiros”, diz ela. Muitas padarias e docerias passaram a usar mais os ingredientes típicos em suas criações depois do projeto Sabores do Pará, organizado pelo Sebrae: hoje se vê receitas como brioche de açaí com banana e bolos com castanha-do-pará ou cupuaçu em vários endereços em Belém. Ela também afirma que, nos outros Estados, há cada vez mais chefs procurando produtos paraenses para usar na confeitaria. “Antes era só a alta gastronomia, agora não é mais. Até restaurantes mais populares querem trabalhar com ingredientes brasileiros”, diz. Na opinião da empresária, isso acontece até por uma necessidade de inovar. “Antes os cozinheiros buscavam essa diferenciação nos produtos estrangeiros. Agora, estão buscando os ingredientes nacionais.”

MENU 202 - MEU BRASIL

A tradicional rosca natalina, de massa de brioche, ganha castanhas brasileiras

Quem também tem trabalhado para dar uma cara mais brasileira aos doces é a confeiteira Ana Cloris, da Anita Pâtisserie, de João Pessoa (PB). “Dá para fazer bastante coisa. Já fiz torrone com pasta de caju, também faço um pain d’épice (bolo de especiarias tradicional francês) com mel de engenho”, diz ela, que para o verão também usa as frutas nacionais em várias receitas. “No calor, o que mais faço é cheesecake de cajá e de acerola com castanha de caju. E o macaron de cajá é o que a gente mais vende”, conta Ana, que é conhecida por fazer macarons com sabores inusitados, como bala 7 Belo e azeitona.

Nem tudo é doce, porém, na hora de usar os ingredientes nacionais. “Alguns produtos a gente não consegue usar por causa da produção. A manteiga que compro, por exemplo, é a francesa por causa da teor de umidade”, explica Lia Quinderé. “Encontrei um produtor do Rio Grande do Sul que tem uma manteiga excelente, mas ele não quis me atender, porque não tem produção suficiente, fiquei arrasada”, acrescenta. Ela teve o mesmo problema com o chocolate nacional. “A gente tem um volume de 1,5 tonelada por mês na Sucré. Na Páscoa, compramos até 4,5 toneladas de chocolate. E os produtores nacionais não conseguem manter a regularidade para atender a gente.”

Farofa de farinha-d’água, banana e caramelo entram no preparo do panetone

Farofa de farinha-d’água, banana e caramelo entram no preparo do panetone

Joanna Martins destaca outro problema: a distribuição. “A logística é o estrangulador do Brasil”, afirma, comentando a dificuldade de enviar produtos do Pará para outros Estados do País. “Temos de ser eficientes, pois o mercado é prático. Se o chef não tem um ingrediente para trabalhar com regularidade, ele para de usar.” E, apesar de um maior interesse em doces com castanha de baru, cajá e cupuaçu, entre outros, o consumidor ainda é conservador. “Ainda tem muita gente que prefere os doces tradicionais”, conta Ana Cloris. Para Joanna, no entanto, a situação está bem melhor. “O cliente está bem mais aberto ao produto nacional do que há 5 anos.”

MENU 202 - MEU BRASIL

O tronco de Natal, sobremesa conhecida dos franceses, foi preparado com chocolate da Amazônia.

Para manter os consumidores e chefs interessados nos sabores locais, Joanna espera que os governos – federais, estaduais e municipais – apoiem os pequenos produtores, que geralmente são os responsáveis por levar esses ingredientes às mesas. “Algumas estruturas governamentais já começam a dar mais apoio a algumas cadeias produtivas menores, e isso é importante. Mas todas as engrenagens têm que seguir para o mesmo caminho”, avalia.

MENU 202 - MEU BRASIL

A chef Lia Quinderé

Lia Quinderé concorda e defende que os chefs se coloquem à frente desse movimento. “Tem muita gente fazendo trufa de chocolate e isso não vai ajudar a gastronomia brasileira. Nossa confeitaria tem de se unir em prol do ingrediente nacional”, afirma. A confeiteira faz sua parte e mostra um pouco disso em sobremesas como o panetone com banana, calda de caramelo e farofa doce de farinha-d’água; a rosca natalina com castanhas brasileiras (baru, caju e do Pará); o tronco de Natal com castanha de caju e chocolate da Amazônia; e o naked cake dourado (com baba de moça, coco queimado e castanhas). Aproveite as receitas abaixo e deixe seu Natal com a cara do Brasil.

rosca de castanhas brasileiras

por Lia Quinderé, da Sucré Pâtisserie

500 g de farinha de trigo

20 g de sal

50 g de açúcar

22 g de fermento biológico seco

6 ovos

25 ml de leite

250 g de manteiga

50 g de castanha de caju

50 g de castanha de baru

50 g de castanha-do-Pará

2 gemas batidas e castanhas a gosto para decorar

rosca de castanhas brasileiras

Misture a farinha, o sal, o açúcar e o fermento. Acrescente a metade dos ovos e a metade do leite e misture tudo. Em seguida, adicione a manteiga, a outra metade do leite e dos ovos e sove bem. Adicione as castanhas e leve para fermentar por cerca de 40 minutos ou até que a massa tenha crescido cerca de 2/3. Coloque em uma forma com um furo no meio e, com um pincel, passe as gemas batidas sobre o brioche. Decore com castanhas a gosto e leve para assar por 25 minutos a 150°C, ou até ficar dourado.

para servir

Desenforme, espere esfriar e sirva.

dica da chef

Você pode trocar as castanhas e usar outras de sua preferência. Se quiser, também polvilhe a rosca com coco queimado ralado antes de levar ao forno.

rendimento 8 porções; preparo 1 hora e 30 minutos; execução fácil

 

panetone de banana com caramelo e farofa de farinha-d’água

por Lia Quinderé, da Sucré Pâtisserie

massa esponja

1 xícara (chá) de água morna

3 tabletes (15 g cada) de fermento biológico fresco

1 xícara (chá) de açúcar

1 xícara (chá) de farinha de trigo

massa de panetone

200 g de manteiga sem sal em temperatura ambiente

½ colher (chá) de essência de panetone

5 xícaras (chá) de farinha de trigo

5 ovos ligeiramente batidos com um garfo

caramelo

40 g de glucose

60 ml de água

150 g de açúcar

90 ml de água quente

180 g de leite condensado

3 ml de essência de baunilha

recheio

1 kg de banana seca

500 g de caramelo

farofa de farinha-d’água

20 g de açúcar cristal

20 g de açúcar mascavo

80 g de farinha d’água

40 g de manteiga

20 g de farinha de amêndoas

20 g de castanha de caju

2 g de sal

para servir

Caramelo e rodelas de banana nanica fresca, a gosto

massa esponja

Em um recipiente grande, coloque a água morna e junte o fermento, o açúcar e a farinha. Misture bem, cubra com um pano e deixe crescer até dobrar de volume, cerca de 20 minutos.

massa de panetone

Depois que a massa esponja tiver crescido, junte à ela, aos poucos, a manteiga, depois a essência, a farinha e os ovos. Trabalhe a massa com as mãos até obter uma massa lisa e homogênea. Coloque numa forma para panetone e asse a 160ºC, até dourar. Deixe esfriar.

caramelo

Em uma panela, coloque a glucose, a água e o açúcar e deixe cozinhar em fogo baixo até que fique um caramelo escuro. Em seguida, adicione a água morna e mexa bem. Adicione o leite condensado e a baunilha, mexa até ferver. Apague o fogo, deixe esfriar e use conforme indicado.

farofa de farinha-d’água

Misture todos os ingredientes, formando uma espécie de farofa úmida. Leve ao forno em uma assadeira com tapete de silicone a 150ºC até que fique dourada e crocante, cerca de 40 minutos.

para servir

Corte o panetone em quatro partes, na horizontal, e recheie cada camada com o caramelo, as bananas secas e, por cima, com a farofa de farinha-d’água. Decore o topo com as rodelas de banana nanica frescas, a farofa doce de farinha-d’água e um pouco de caramelo.

dica da chef

Faça uma versão romeu e julieta do panetone. Coloque 50 g de queijo parmesão ralado na massa de panetone e recheie-o com doce de goiaba no lugar do caramelo.

rendimento 1 panetone de cerca de 1 kg; preparo 1 hora e 30 minutos

execução moderada

 

tronco de chocolate da Amazônia

por Lia Quinderé, da Sucré Pâtisserie

massa

300 g de farinha de castanha de caju

500 g de açúcar cristal

150 g de farinha de trigo

20 claras

ganache

250 g de chocolate ao leite

500 ml de creme de leite fresco

musse de chocolate

500 ml de creme de leite integral

500 g de chocolate ao leite

500 ml de creme de leite fresco

glaçage

600 g de açúcar

390 g de água

600 g de glucose

430 g de leite condensado

650 g de chocolate 70% da Amazônia

120 g de gelatina hidratada de acordo com as instruções do pacote

telha de chocolate da Amazônia

300 g de chocolate 66% da Amazônia

massa

Em um recipiente, misture a farinha de castanha de caju, 300 g de açúcar cristal e a farinha de trigo. Bata as claras em neve e adicione 200 g de açúcar cristal às claras, até que fique consistente. Acrescente às claras batidas com açúcar aos outros ingredientes secos e misture à mão. Estique a massa sobre um tapete de silicone e leve para assar por 20 minutos a 180°C, ou até ficar dourada.

ganache

Pique o chocolate ao leite e coloque em um bowl. Ferva o creme de leite, derrame sobre o chocolate e misture bem até obter um creme de textura homogênea. Deixe esfriar e reserve.

musse de chocolate

Ferva o creme de leite integral e derrame sobre o chocolate. Mexa até que o chocolate derreta por completo e deixe esfriar. Bata o creme de leite fresco até o ponto de chantilly e misture com o chocolate.

glaçage

Em uma panela, coloque o açúcar, a água e a glucose e leve para ferver. Em seguida, adicione o leite condensado, o chocolate e a gelatina já hidratada. Misture bem e apague o fogo.

telha de chocolate da Amazônia

Derreta o chocolate em banho-maria ou no micro-ondas e faça a temperagem de acordo com as instruções da embalagem. Forre um molde no formato de telha com papel filme e espalhe o chocolate por cima. Leve à geladeira para firmar e reserve até a hora de servir.

para servir

Espalhe a ganache sobre a massa e enrole o tronco como se fosse um rocambole. Cubra com a musse de chocolate e, por cima, espalhe a glaçage. Desenforme a telha de chocolate e faca os furos da telha esquentando bicos de saco de confeitar de diferentes tamanhos com um maçarico. Encoste os bicos quentes para furar a telha e fazer os furos. Posicione a telha por cima do tronco e leve à geladeira por 1 hora até firmar.

dica da chef

Se a glaçage estiver fria na hora de montar a sobremesa, aqueça-a até alcançar uma temperatura entre 28ºC e 30ºC.

rendimento 8 porções; preparo 3 horas; execução moderada

 

naked cake de castanha de caju caramelizada e coco queimado

por Lia Quinderé, da Sucré Pâtisserie

massa

500 g de açúcar

400 g de manteiga

6 gemas

500 g de farinha de trigo

300 ml de leite

1 colher (sopa) de fermento em pó

castanhas caramelizadas

2 colheres (sopa) de açúcar

50 ml de água

300 g de castanhas de caju

recheio

400 g de leite condensado

200 g de creme de leite

1 colher (sopa) de manteiga

200 g de castanhas caramelizadas

100 g de coco queimado

massa

Bata o açúcar, a manteiga e as gemas até que fique um creme branco e espesso. Acrescente a farinha e o leite aos poucos. Por último, adicione o fermento. Transfira a massa para uma forma de 20 cm de diâmetro e e asse a 150ºC por 30 minutos, ou até ficar dourado. Deixe esfriar e reserve.

castanhas caramelizadas

Em uma panela, derreta em fogo baixo o açúcar até o ponto de caramelo. Adicione a água, misture bem e, em seguida, adicione as castanhas de caju. Mexa bem e deixe esfriar.

recheio

Em uma panela, misture todos os ingredientes e leve ao fogo baixo até que desgrude do fundo da panela. Reserve.

para servir

Corte o bolo já frio em 4 camadas. Por cima de cada camada, espalhe uma parte do recheio até cobrir bem e, em seguida, coloque outra camada de bolo por cima. Repita três vezes, fazendo um bolo com três camadas de recheio. Decore o bolo em volta com as castanhas caramelizadas e aplique spray dourado comestível em toda a superfície.

dica da chef

Faça uma calda de açúcar com baunilha fresca e use-a para regar o bolo e deixá-lo molhadinho.

rendimento 12 porções; preparo 2 horas; execução moderada

 

 

Sucré Patisserie

rua Nunes Valente, 1310 – Aldeota (veja no mapa)

(85) 3268-2983 – Fortaleza – CE

sucre.com.br

Manioca

maniocabrasil.com

Anita Pâtisserie

avenida Fernando Luiz Henrique dos Santos, 2340 – Bessa (veja no mapa)

(83) 8758-3047 – João Pessoa – PB

facebook.com/patisserie.anita

 

* Reportagem publicada na edição 202