Comidas

Esther Rooftop reforça vitalidade gastronômica do centro de SP

O chef Benoit Mathurin, no salão do Esther (fotos: Felipe Gabriel/Ag. IstoÉ)

por Romeu e Julieta*

Pode não ser uma das atividades mais seguras, mas caminhar pelo centro de São Paulo é um programa enriquecedor. O passeio, nos últimos anos, tem se tornado mais apetitoso com os restaurantes que abriram suas portas por lá. O mexicano La Central, no edifício Copan, o Santinho, dentro do Theatro Municipal, e A Casa do Porco Bar, na República, são alguns nomes. A última novidade, o Esther Rooftop, em plena Praça da República, só fez aumentar a fome de foodies para a região. Claro que Romeu e eu, Julieta, fomos conferir.

O lugar já é uma atração à parte. O restaurante fica na cobertura do edifício Esther, inaugurado em 1938 e considerado uma referência da arquitetura modernista na cidade. O prédio abriga tanto escritórios quanto residências – a cobertura foi morada do chef e apresentador francês Olivier Anquier que, depois de se mudar de lá, decidiu manter o apartamento e o reformou para abrigar o restaurante. Na empreitada, Anquier se juntou ao irmão Pierre, ao chef Benoit Mathurin (que assina e executa o cardápio) e aos empresários Pierre Colnet, Hadrien Lelong e Pedro Almeida.

Depois de passar por uma recepcionista no térreo, pegamos o elevador que abre diretamente no salão do restaurante. Logo de cara, um charmoso bar nos dá as boas-vindas. Atrás dele estão as mesas mais disputadas: no terraço, com direito à linda vista da Praça da República. Começamos o jantar com dois drinques, que acompanharam nossa refeição. Romeu ficou com o refrescante gim-tônica com manjericão, sugestão do competente maître Assis, e eu fiquei com o divertido, mas bem doce, mojito da República (R$ 28**), servido com uma espuma de abacaxi e gengibre, balas M&Ms (!) e marshmallow. “Com direito a guarda-chuva de decoração”, debochou meu companheiro.

O cardápio tem clara influência francesa, que exploramos em algumas escolhas. Fomos felizes ao dividir a terrine do meu avô (R$ 29), versão de campagne servida com picles de abacaxi e beterraba com brotos e pão torrado. Úmida e saborosa, com destaque para o serviço no salão – o garçom traz a terrine inteira em uma travessa, que foi fatiada na nossa frente. As macias bochechas de boi cozidas por três horas em molho de mel e alecrim (R$ 52), meu prato principal, foram escoltadas por caldo saboroso e leve e batatas bolinhas cozidas, que estavam um pouco cruas. Romeu deu uma “escapada” para a Ásia ao pedir o ensopado de peixes e frutos do mar thai (R$ 72), com amendoim e banana. “Também é leve e de cocção perfeita”, elogiou.

A performance continuou positiva nas sobremesas. A delicada pavlova tropical (R$ 21), em creme de iogurte com mascarpone e baunilha, pedaços de manga e maracujá, escolha de Romeu, estava equilibrada, mas não superou a minha pedida: o brioche Esther (R$ 22), macio e úmido, com sorvete de caramelo salgado e maçã caramelada. “É de tirar qualquer um da depressão”, concluiu meu parceiro. Nem precisa dizer que retornaremos ao Esther. E vida longa ao centro!

Esther Rooftop

Praça da República, 80 – Centro (veja no mapa)

(11) 3256-1009 – São Paulo – SP

MENU 211 - ROMEU E JULIETA

* Romeu e Julieta é o casal de críticos anônimos da Menu. E a crítica foi publicada na edição 211.

** Os preços podem ter sofrido alterações.