Bebida

Depois de 632 anos, Albiera é a primeira mulher a assumir a vinícola italiana

O maior desafio de Albiera será tornar os vinhos da Antinori cobiçados pelo mercado asiático (foto: divulgação)

por Suzana Barelli

Antinori é sinônimo de vinhos de qualidade desde o ano de 1385. Nestes quase 633 anos, o império fundado por Giovanni di Piero Antinori sempre foi comandado por um homem. A tradição foi rompida em julho do ano passado, quando Piero Antinori, da 26a  geração de produtores de vinho, passou o bastão para a sua filha Albiera, e se tornou presidente honorário do grupo.

Aos 50 anos e formada em administração de empresas, Albiera conta com o apoio de suas duas irmãs, Allgera e Alessia, que também trabalham na Antinori. Seu principal patrimônio são os 1.800 hectares de vinhedos do grupo familiar e não apenas na Itália. Além dos vinhos italianos, nas regiões da Toscana e da Umbria, Antinori tem vinhos em mais cinco país, em vinhedos próprios, como o Antica, no Napa Valley, nos Estados Unidos, e em parcerias. São exemplos, aqui, a Col Solare, em Washington, com o Château St. Michelle; o Albis no Chile, com o Haras de Pirque, e também projetos na Hungria (Tuzko), em Malta (Meridiana) e na Romênia (Vitis Metamorfosis).

Segundo a revista The Drinks Business, o desafio de Albiera é fazer as marcas premium da Antinori, como Solaia e Tignanello mais conhecidas e cobiçadas pelo mercado asiático.