Cultura

Estudo aponta que 26 milhões de americanos podem ser alérgicos a alimentos

Alimentos como marisco, leite, amendoim e nozes foram citados como os que mais resultam em alergias (Foto: Reprodução/iStock)

da redação da Menu

Um estudo divulgado recentemente nos Estados aponta que 26 milhões de adultos americanos podem ser alérgicos a alimentos o que representa 10,8% da população do país. O estudo também mostra que 19% acreditam ter alergia alimentar. O estudo foi conduzido por professores da Escola de Medicina Feinberg da Universidade Northwestern.

“Os dados sugerem que atualmente há pelo menos 13 milhões de adultos alérgicos a alimentos que sofreram pelo menos uma reação alérgica grave a alimentos, pelo menos 10 milhões de adultos que receberam tratamento de alergia alimentar na sala de emergência e menos de 12 milhões de adultos com alergia alimentar de início na vida adulta”, resumem os autores do estudo.

A pesquisa, que examinou respostas de 40.443 pessoas com 18 anos ou mais de todo o país, também descobriu que as alergias relacionadas ao alimento mais comuns eram marisco (2,9% de todos os adultos), leite (1,9%), amendoim (1,8%), nozes (1,2%) e peixe de barbatana (0,9%).

Entre os adultos alérgicos a alimentos que responderam à pesquisa, 51,1% relataram que tiveram uma reação alérgica grave à alergia alimentar, 38,3% relataram pelo menos uma visita ao departamento de emergência vitalícia relacionada à alergia alimentar, 45,3% afirmaram ser alérgicos a múltiplos alimentos e 48% relataram desenvolver alergias alimentares quando adultos.

Para distinguir entre indivíduos que alegam apenas ter uma alergia alimentar e aqueles com evidência convincente, o estudo considerou alergias alimentares apenas se a reação mais grave relatada incluísse pelo menos um sintoma que também aparecesse em uma lista de sintomas rigorosos desenvolvida por um painel de especialistas reunido expressamente para os propósitos do estudo.

Daí a variação entre os 19% de alergias alimentares autorreferidas e os 10,8% que foram considerados pelo estudo como convincente prevalência de alergia alimentar. Na discussão de suas descobertas, os autores do estudo alertam que seus dados podem sinalizar uma tendência crescente.

Uma análise recente dos dados de registros eletrônicos de saúde coletados em uma rede de clínicas da região de Chicago concluiu que, embora as alergias a crustáceos, nozes e peixes fossem as alergias alimentares mais comuns em adultos, parece ser possível desenvolver alergias a todos os principais grupos alimentares.