Cultura

Conheça a história sangrenta por trás da sobremesa mais famosa do Qatar

O Om Ali é uma espécie de pudim de pão, que pode ser encontrado em qualquer lugar no Qatar (Foto: Reprodução/iStock)

da redação da Menu

O Om Ali é uma sobremesa dourada, similar a um pudim de pão, cremosa, feita com leite morno, pistaches e passas branca. Fácil de encontrar em qualquer restaurante do Qatar, o doce tem receita simples, mas que esconde uma história digna das intrigas de Game of Thrones.

Massa folhada, leite, açúcar, creme de leite, pistache e passas – ou frutas secas -, quando misturadas e levadas ao forno geram a sobremesa mais popular do Qatar.

Como a maioria dos pratos árabes, o om ali também é alvo de disputa sobre a concepção e o país que seria o “dono” da receita e da tradição. Mas a história que envolve seu surgimento é das mais sangrentas.

Om Ali é feito com massa folhada, leite, açúcar, creme de leite e pistache (Foto: Reprodução/iStock)

Uma das versões diz que uma senhora idosa, com um filho chamado Ali, morava em uma aldeia pobre no delta do Nilo, onde um sultão do século 13, uma vez, resolveu parar para comer enquanto estava em uma caçada. A mulher juntou todos os ingredientes que tinha disponíveis no intuito de fazer um prato digno de alguém da realeza. O sultão achou a sobremesa deliciosa e voltou para sua cidade contando sobre ela, e dando o nome da mulher ao doce – “om”, significa mãe.

Porém, a versão menos inocente é a de que Shajarat Al-Durr, uma escrava, casou com o sultão, que morreu pouco depois dela ter um filho. A moça, então, passou a governar em seu lugar.

Sobremesa mais popular do Qatar tem história sangrenta em sua origem (Foto: Reprodução/iStock)

Pouco depois, por questões políticas, ela voltou a casar e, assim, perdeu seu poder, pois não aceitariam uma governante mulher. Mas como Al-Durr já tinha gosto pelo cargo, acabou influenciando nas decisões do segundo marido.

Quando esse marido decidiu tomar uma segunda esposa, Al-Durr – a Om Ali -, assassinou o homem e depois subornou algumas criadas para assassinar a moça, que foi espancada até a morte com sapatos.

Com o fim da “rivalidade”, ela mandou que os cozinheiros competissem parar criar um prato para comemorar o feito. E a criação, claro, foi o tradicional pudim do Qatar.