Cultura

Alimentos para bebês contém muito açúcar, aponta a Organização Mundial da Saúde

Análise aponta excesso de açúcar em itens para alimentação de bebês (Foto: Reprodução/iStock)

da redação da Menu

A OMS (Organização Mundial da Saúde) aponta que muitos alimentos para bebês contêm níveis inadequados de açúcar e estão sendo comercializados incorretamente.

De acordo com o jornal britânico The Independent, o escritório regional europeu da agência internacional de saúde realizou dois estudos para investigar o conteúdo nutricional e a comercialização de alimentos para bebês.

Como parte de sua pesquisa, a OMS coletou dados de quase 8 mil produtos de alimentos e bebidas comercializados para bebês e crianças pequenas nas lojas entre novembro de 2017 e janeiro de 2018. Os produtos vieram de 516 lojas em quatro cidades: Viena, na Áustria, Sofia na Bulgária, Budapeste, na Hungria e Haifa em Israel.

Em três das quatro cidades, pelo menos metade dos produtos atribuía mais de 30% do seu conteúdo calórico ao açúcar total, com um terço dos produtos listando açúcar, suco de frutas concentrado ou outra forma de adoçante como ingrediente.

A OMS publicou uma advertência de que adicionar sabores doces e açúcares poderiam aumentar o gosto de uma criança por alimentos doces mais tarde na vida.

“Os alimentos para lactentes e crianças pequenas devem cumprir várias recomendações nutricionais e composicionais estabelecidas”, disse o Dr. João Breda, chefe do Escritório Europeu de Prevenção e Controle de Doenças Não-Transmissíveis da OMS. “No entanto, há preocupações de que muitos produtos ainda possam ser muito ricos em açúcares”, avalia.

Além de destacar os altos níveis de açúcar em alimentos para bebês, a OMS também apontou que muitos desses produtos são comercializados irresponsavelmente. De acordo com as recomendações da agência de saúde, os bebês devem idealmente ser amamentados exclusivamente até os seis meses de idade.

No entanto, apesar dessa orientação, entre 28 e 60% dos alimentos e bebidas para bebês vendidos nas quatro cidades mencionadas anteriormente eram comercializados como sendo adequados para bebês com menos de seis meses de idade.

A OMS declarou que, embora isso seja permitido de acordo com a legislação da União Europeia, não está em conformidade com o Código Internacional de Comercialização de Substitutos do Leite Materno da OMS ou o Guia da OMS.