Acontece

Os mexicanos conquistam Chicago

Por Cintia Oliveira, de Chicago (EUA)*  

Uma das grandes atrações de Chicago, no coração dos Estados Unidos, o Millennium Park é uma verdadeira galeria de arte a céu aberto. No meio de seus mais de 100 mil metros quadrados está a exuberante Cloud Gate, escultura do artista indiano Anish Kapoor – apelidada pela população de “the bean” (graças ao seu formato de feijão) – feita de centenas de placas de aço-inox polidas que, juntas, formam um gigantesco espelho. Graças ao seu formato inusitado, a cada ângulo o observador consegue ter uma visão completamente diferente da cidade. A escultura, além de garantir a diversão de visitantes e moradores, também é um retrato do ecletismo cultural de Chicago, que reflete diretamente na gastronomia local.

Entre italianos, irlandeses, afro-americanos e asiáticos, a cozinha que se destaca neste caldeirão de influências é, sem dúvida, a dos mexicanos. O vizinho latino tem expressão em diversos cantos do país, mas sua presença é maciça nas ruas e em restaurantes da cidade mais populosa do Centro-Oeste norte-americano.

Maxwell Street Market é um reduto latino em Chicago, com muitos sabores da cozinha mexicana

Se de um lado os turistas se surpreendem com os enormes arranha-céus concentrados no centro financeiro, de outro ficam boquiabertos com os aromas e sabores picantes que vêm da Maxwell Street Market, centenária feira de rua que é uma verdadeira celebração da cultura mexicana na cidade. Numa época com leis tão rígidas do governo Trump contra os imigrantes latinos, um local como este é um ponto de resistência.

Abaixo, o tutano assado com costela sobre tortilha de farinha caseira, preparada pela chef Diana Davila, do Mi Tocaya Antojería

A feira, que acontece aos domingos no bairro de South Loop, sempre recebeu os imigrantes de braços abertos. No começo (leia-se século 19), italianos, gregos e alemães judeus barganhavam desde quinquilharias até roupas mais caras nesse mercado popular. Depois vieram os asiáticos e os afro-americanos vindos do Sul dos Estados Unidos e, a partir dos anos 2000, a Maxwell Street Market inaugurou uma nova fase com a chegada dos mexicanos. “Atualmente, cerca de 70% dos expositores da feira têm ascendência latina”, explica Nikki Butler, coordenadora cultural e de eventos da Maxwell Street Market.

Embalados pelo som dos mariachis e do reggaeton, os visitantes se encantam com os sabores da autêntica comida mexicana. A busca pelos sabores começa ainda nas barracas de ingredientes, onde são encontrados desde pimentas variadas até o pouco convencional nopal (cacto usado no preparo de sopas, saladas e sobremesas). Nas barracas de comida, há uma infinidade de clássicos mexicanos como os elotes (milho assado com maionese, queijo e pimenta) e os tamales (que lembra a nossa pamonha). Mas os tacos são um espetáculo à parte: as senhoras preparam as tortilhas de milho na hora em plena calçada. Em movimentos precisos, moldam uma bolinha de massa, a jogam numa prensa e, de lá, vai direto para uma grande chapa de ferro. “Por razões como essa, a feira não apenas é representante da cozinha mexicana tradicional em Chicago como abriga uma das melhores comidas de rua da cidade”, comemora Nikki. Atualmente, a feira recebe cerca de 20 mil visitantes ao mês e cerca de 15% deles são turistas. A tendência é aumentar. “Acreditamos que esses traços culturais farão com que a Maxwell Street Market seja incluída no roteiro dos turistas”, complementa ela.

Seleção de pratos mexicanos do restaurante Barrio, pilotado por Katsuji Tanabe

Mas a rua não é o único palco da cozinha mexicana na cidade. Existem diversos restaurantes que preservam a culinária típica do país latino. É o caso do simpático e multicolorido restaurante Mi Tocaya Antojería, comandado pela chef Diana Davila. Filha de mexicanos, ela cresceu em torno da cozinha de sua família e traduz essas lembranças à mesa em seu cardápio. O cochinita pibil, porco ao estilo de Yucatán, marinado em colorau e laranjas amargas e assado, e o caldo de res (cozido de carne com vegetais tipicamente mexicano), que faziam parte de seus almoços de família, são servidos aos domingos. “A maneira como eu cozinho é baseada nos pratos nostálgicos que cresci comendo, mas que não são amplamente conhecidos aqui nos Estados Unidos”, explica Diana.

Além dos pratos clássicos, em Chicago também é possível encontrar a cozinha mexicana com toques contemporâneos. “Acredito que todos nós evoluímos, mas tentamos nos manter fiéis aos nossos sabores”, explica o chef mexicano Katsuji Tanabe, do restaurante Barrio. Ele usa diversas técnicas modernas em sua cozinha, “mas o pernil de cordeiro braseado na pimenta guajillo sempre terá um sabor que remete a um prato preparado nas casas mexicanas”, explica ele.

Despertar o interesse dos norte-americanos pela cozinha mexicana, e mostrar que ela pode ir além dos tacos e burritos, é um desafio e tanto para os chefs locais. “O público estranha, mas, aos poucos, os restaurantes mexicanos estão assumindo esses desafios e mudando a opinião de Chicago sobre nossa culinária”, explica Tanabe.

*A jornalista viajou a convite do Choose Chicago

Cosmopolita à mesa
Se preferir ir além da cozinha mexicana, Chicago reúne diversas atrações gastronômicas imperdíveis:

A pizza
Os entusiastas de cobertura farta na pizza não podem deixar de provar a versão local. Trata-se de uma redonda de borda alta, que lembra uma quiche, com molho e (muito!) queijo. Uma das melhores da cidade está na pizzaria Giordano’s (giordanos.com). E uma das pedidas é Chicago Classic, com mussarela, pepperoni, cogumelos, cebola e pimentão.

Hot-dog turbinado
Feito com salsicha, pimentão verde, sport pepper (uma pimenta verde em conserva típica de lá), tomate, picles e mostarda (ketchup, jamais!), o sanduíche é a marca registrada da cidade. É possível saboreá-lo em diversos pontos da cidade, desde as barraquinhas de rua até as lanchonetes locais.

Pulo na Ásia
Uma das paradas indispensáveis para quem visita a cidade é o HaiSous (haisous.com), restaurante vietnamita comandado pelo chef Thai Dang e sua esposa Danielle, que é responsável pelo serviço e carta de vinhos. As pedidas ficam por conta da refrescante e apimentada salada de papaia verde com charque caseiro e pimenta tailandesa e o polvo grelhado com cebolinha confit e alho frito.

Os estrelados
Na ala dos restaurantes premiados da cidade, o três estrelas Michelin Alinea (alinearestaurant.com) está no topo da lista. Comandado pelo aclamado chef Grand Achatz, o restaurante que ocupa o 21º lugar do World’s 50 Best Restaurants oferece um menu de vanguarda repleto de surpresas, que vão desde até a sobremesa servida diretamente na toalha de mesa. Também faz parte do grupo Alinea o bar The Aviary (theaviary.com), que promove uma experiência única em coquetelaria, elaborada com técnicas da cozinha molecular.