Comidas

O lado informal da cozinha japonesa no Kurâ

por Beatriz Marques

Conhecido pelos restaurantes paulistanos Kinoshita e Tradi, o restaurateur Marcelo Fernandes decidiu comemorar seus 20 anos de carreira com uma nova empreitada. No lugar ocupado até o ano passado pelo Clos, restaurante que também estava na aba do empresário, foi inaugurado em maio o Kurâ Izakaya, boteco japonês com pegada contemporânea para atrair o público jovem.

A concepção teve curadoria do produtor cultural Jo Takahashi, que trouxe sua expertise para o cardápio até o ambiente, rico em peças artísticas que retratam a cultura japonesa, como pintura de Catarina Gushiken e luminárias de Lucas Isawa.

Os petiscos assinados pelo chef Ken Tanaka, que também assumiu a cozinha do Kinoshita, têm foco nos espetinhos, como o de shiitake no molho ponzu (R$ 6,81), e nos minidomburis, tigela com arroz e cobertura variada: a de panceta com kimchi custa R$ 22,81. Vale também pedir os udons (macarrão grosso) preparados por Yoshio Mizumoto (ex-Meu Udon) – uma interessante pedida é o sabor inspirado no carbonara (R$ 25,81), com bacon, parmesão, shimeji e ovo.

Para beber, invista nos saquês ou nos drinques de inspiração japonesa criados pelo bartender Glauco Schereder, como o aka oni (R$ 26,81), feito com shochu infusionado com tomate, solução salina de pepino e club soda, e o high ball kurâ (R$ 24,81), com uísque, coldbrew e club soda – receitas que você confere no final da revista.

Kurâ Izakaya Contemporâneo
rua Domingos Fernandes, 549 –
Vila Nova Conceição
(11) 3045-2154 – São Paulo – SP
kuraizakaya.com.br

Naga e Nagayama Café, em São Paulo, renovaram suas cartas de drinques com ares japoneses. Enquanto o primeiro traz releituras como o shissô collins (R$ 31, com gim, espumante, shissô, nigori yuzu e limão tahiti), o segundo sugere coquetéis que vão bem com sushis – é o caso do miss gueixa (R$ 33), que leva saquê, cordial de hibisco com kinkan, licor de lichia, espuma de gengibre e pó de hibisco. nagayama.com.br

Onde os vegetarianos têm vez

Aberto no ano passado no bairro São Geraldo, em Porto Alegre, o Agulha é daqueles bares que impressionam logo de cara. Dentro de um galpão industrial, decorado com objetos antigos que dão sensação de acolhimento, há longo balcão no bar e espaço para shows. Mas o que realmente impressiona é o cardápio de petiscos que coloca em mesma importância os veganos e vegetarianos – para um salgado tradicional como o bolovo de carne (R$ 14), há uma versão em que a carne é trocada pelo feijão. E se ficou com vontade de comer o sandubãn de língua (R$ 15, com pão no vapor, língua bovina, picles, maionese picante), também terá curiosidade para provar o sandubãn de tofu vegano (R$ 15), no qual vai o queijo de soja marinado no lugar da carne.

Agulha
rua Conselheiro Camargo, 300 –
São Geraldo
(51) 99327-1480 – Porto Alegre – RS
facebook.com/agulha.poa