Cultura

Luvas de látex serão proibidas nos restaurantes da Califórnia a partir de janeiro

A nova lei determina o uso de materiais alternativos ao látex, como nitrilo, vinil ou polietileno (Foto: Reprodução/iStock)

da redação da Menu

A partir de 1° janeiro de 2020, as luvas de látex estarão proibidas nos restaurantes da Califórnia, nos Estados Unidos.

Segundo o site Food and Wine, o estado americano é o sexto a exigir que profissionais da área de alimentação usem luvas e utensílios sem o componente. Arizona, Connecticut, Havaí, Ohio, Oregon e Rhode Island também já provaram legislação que veta o uso de luvas de látex em restaurantes e outros locais de preparação de alimentos.

O governador da Califórnia, Gavin Newsom assinou em setembro, o projeto de lei que proíbe formalmente luvas e utensílios de látex em qualquer instalação de alimentos e estabelecimentos de varejo de alimentos. A norma aponta que estimativas mostram que até 6% da população do país tenha alergia ao látex. O número aumenta para 17% entre os profissionais de saúde e serviços de alimentação.

Além disso, acredita-se que mais de 1/3 das crianças americanas que realizaram mais de três cirurgias tenham alergia ao látex. “Quanto mais uma pessoa entra em contato com o látex, maior a probabilidade de desenvolver uma alergia ao látex. Não há cura para uma alergia ao látex”, diz um trecho do projeto de lei.

A nova legislação determina que serão necessárias alternativas de látex, feitas de nitrilo, vinil ou polietileno, e que as luvas sem látex geralmente podem ser mais duráveis ​​e oferecer melhor proteção contra barreira do que as versões de látex. E o mais importante, também não é provável que desencadeiem reações alérgicas ou anafiláticas.

Entre os apoiadores da medida, está Liz Knight, que atua como embaixadora global da Globalaai (Consciência e Inclusão Anafilaxia Global), organização que defende o tipo de mudança que pode tornar os locais públicos mais seguros e inclusivos. Uma das causas apoiadas pela Globalaai é a proibição do uso de luvas de látex em restaurantes e preparação de alimentos.

“Eu tento conversar com o maior número possível de pessoas sobre alergias ao látex. Quanto mais pessoas souberem disso, mais as coisas poderão mudar”, afirma Liz, que sofre de problemas alérgicos relacionados ao látex.