Bebida

Casal usa cocô de elefante para produzir gim na África do Sul

Fezes de elefante são rigorosamente higienizadas antes de serem usadas no Indlovu Gin (Foto: Divulgação)

Uma das graças do gim é que ele pode ser feito com infinitas combinações. O único ingrediente obrigatório na composição da bebida é o zimbro. De resto, vale tudo. Até cocô de elefante – ou quase isso.

As fezes do grande mamífero são o principal ingrediente do Indlovu Gin, produzido na África do Sul. A ideia de usar o, por assim dizer, exótico ingrediente veio do casal de biólogos Paula e Les Ansley.

+Iogurte de gim-tônica não desce bem entre clientes do Reino Unido
+Saiba como preparar vários drinques à base de gim
+Clássico gim-tônica ganha cada vez mais entusiastas no País

Durante uma expedição a uma reserva sul-africana, Paula reparou que mais da metade da comida ingerida dos elefantes, que são herbívoros e se alimentam de frutas, raízes, ervas e cascas de árvores, não é processada e acaba em suas fezes.

Daí veio a ideia: os elefantes fariam o trabalho pesado, de buscar as ervas, enquanto os biólogos processariam o cocô para extrair os ingredientes. Assim nasceu o Indlovu, em 2018.

As fezes primeiro são secas e, em seguida, são rigorosamente higienizadas, afirmam os donos da marca. Depois, os ingredientes passam por uma segunda lavagem e são novamente secados, para depois serem incorporados ao gim.

Até o momento, o casal já produziu 8 mil garrafas de 750 ml do Indlovu, que foram comercializadas em lojas sul-africanas e exportadas para outros países africanos e para a Europa. O preço sugerido de cada garrafa é de US$ 34.