Bebida

Britânico diz que se curou do coronavírus bebendo uísque

Aparentemente, uísque com mel, para os britânicos, é um remédio similar à nossa cachaça com mel e limão (Foto: iStock)

da redação da Menu

Com epicentro na cidade de Wuhan, na China, o coronavírus tem deixado as autoridades mundiais em alerta, já que até agora não existe uma vacina específica para a doença, que causa problemas respiratórios nas pessoas contaminadas.

Médicos na Tailândia afirmaram que conseguiram tratar a doença com uma combinação de medicamentos usados para tratar gripe e pessoas contaminadas com o vírus HIV.

+Buscas mostram confusão com cerveja Corona e coronavírus
+Uísque japonês envelhecido por 55 anos será vendido por US$ 30 mil
+Coleção de uísque japonês é arrematada em leilão por R$ 3,7 milhões

Um jovem inglês de 25 anos, no entanto, afirmou que conseguiu se livrar da doença com uma garrafa de uísque. Connor Reed, que se mudou para a China três anos atrás para lecionar inglês em Wuhan, disse que foi diagnosticado com o coronavírus dois meses atrás. Ele ficou internado por duas semanas no hospital universitário de Zhongnan.

Ele se recusou a tomar os remédios prescritos pelos médicos. No lugar, tomou uma garrafa de uísque misturado com mel. “Usava o inalador para controlar a tosse e então fui bebendo uísque quente com mel até melhorar”, disse ele ao tabloide britânico The Sun.

Aparentemente, uísque com mel, para os britânicos, é um remédio similar à nossa cachaça com mel e limão. Quem apresentar os sintomas relacionados deve procurar um médico o mais rápido possível e não deve se automedicar.

Histórico

Os coronavírus são conhecidos desde meados dos anos 1960 e já estiveram associados a outros episódios de alerta internacional nos últimos anos.

Em 2002, uma variante gerou um surto de síndrome respiratória aguda grave (Sars) que também teve início na China e atingiu mais de 8 mil pessoas. Em 2012, um novo coronavírus causou uma síndrome respiratória no Oriente Médio que foi chamada de Mers.

A atual transmissão foi identificada em 7 de janeiro. O escritório da Organização Mundial de Saúde (OMS) na China buscava respostas para casos de uma pneumonia de etiologia até então desconhecida que afetava moradores na cidade de Wuhan.

No dia 11 de janeiro foi apontado um mercado de frutos do mar como o local de origem da transmissão. O espaço foi fechado pelo governo chinês.