Noticias

Especialistas desvendam 6 mitos comuns sobre a cerveja

Foto: Freepik

da redação da Menu

Cerveja é sempre amarga? Tem que jogar fora aquela latinha que ficou esquecida no freezer e congelou? Nos dois casos, a resposta é um sonoro “não”, mas muita gente continua espalhando essas “lendas urbanas”.

+Rede dos EUA lança cerveja feita com cachorro-quente
+Cachorros entregam cerveja e alegria para clientes nos EUA
+França vai jogar fora 10 milhões de litros de cerveja

Para esclarecer essas dúvidas, a mestre-cervejeira da Ambev, Paula Guedes, e o convidado Salo Maldonado, da Cervejaria Motim, fizeram uma live no Instagram. A seguir, confira alguns mitos do universo cervejeiro.

1) Toda cerveja é muito amarga
Mito: Todo rótulo tem algum amargor, que é medido pelo IBU (International Biterness Unit, ou Medida Internacional de Amargor). A escala vai de 0 a 120 e, quanto mais alta, mais amarga a bebida. Em alguns estilos, no entanto, ele fica imperceptível, como no caso das cervejas doces, ácidas e até mesmo as ligeiramente salgadas.

2) A água é muito importante para a qualidade da cerveja
Mais ou menos: Todas as cervejarias modernas tratam a água que será utilizada nas receitas para obter sempre o mesmo perfil mineral e padrão de qualidade. Isso permite a reprodução da fórmula em qualquer parte do mundo.

3) Cerveja congelada deve ir para o lixo
Mito: Se você esquecer a cerveja no congelador (e ela não explodir), coloque-a na geladeira e espere um ou dois dias antes de abri-la. O sabor e a carbonatação devem estar como antes. Claro, evite fazer isso sempre.

4) Gelar muito a cerveja destrói o sabor
Mito: Quanto mais forte e encorpada a cerveja, menos fria ela deve ser servida. No Brasil, as leves e delicadas Pilsen são servidas no limite do congelamento – e não há nada errado nisso. Mas você pode fazer do seu jeito, se quiser.

5) Quanto mais escura, mais forte é a cerveja
Mito: A cores marrom ou preta realmente causam a expectativa de uma bebida mais forte ou densa, mas a tonalidade depende da matéria-prima. Maltes de trigo são quase brancos, malte de cevada tipo pilsen são amarelados e as variedades tostadas e carameladas vão do avermelhado ao negro intenso. Mas existem cervejas claras que são fortes (como a Tripel ou uma Imperial IPA) e outras escuras, como as Dry Stouts, que são mais leves.

6) Cervejas puro malte são melhores
Mito: Os ingredientes refletem o que o mestre-cervejeiro espera obter com a receita. Se a intenção é que ela seja mais encorpada, pode-se optar por trabalhar usar apenas malte de cevada ou adicionar um pouco de trigo. Para uma gelada mais cremosa, pode-se usar aveia. Já em uma cerveja leve e refrescante, um pouco de milho ou arroz não traz nenhum problema.

Veja também

+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Garçonete demitida por ciúmes agora fatura com fotos sensuais
+ Chef Henrique Fogaça fecha restaurante no RJ e demite 200 funcionários
+ Torta de sorvete é sobremesa para fazer no fim de semana