Noticias

Campanha nas redes sociais pede boicote à rede Coco Bambu

Foto: Tadeu Brunelli/Divulgação

da redação da Menu

Várias pessoas foram às redes sociais no fim de semana para pedir o boicote da rede de restaurantes Coco Bambu, com sede em Natal (RN). A convocação foi feita após a divulgação, no sábado (8), de que o empresário Afrânio Barreira, um dos sócios da rede, almoçou com o presidente Jair Bolsonaro.

+Coco Bambu demite 20% por causa de pandemia de coronavírus
+Paola Carosella critica comida 3D: “gosto de papelão molhado com cloroquina”
+Bares e restaurantes de São Paulo poderão funcionar até 22h
+Mais de 150 bares e restaurantes de SP quebraram regras para reabertura

O almoço entre Barreira e Bolsonaro aconteceu na quarta-feira passada (5). Como a divulgação da reunião aconteceu no sábado, dia que o Brasil ultrapassou o número de 100 mil mortos por causa do novo coronavírus, muitos acreditaram que o presidente e o empresário estavam ignorando a tragédia.

Outro motivo para que as pessoas pedissem o boicote à rede é que o empresário
é um conhecido apoiador do presidente Jair Bolsonaro. Assim como Junior Durski, dono da rede Madero, em maio desde ano Barreira defendeu a suspensão das medidas de distanciamento social e o uso da hidroxicloroquina como tratamento à covid-19. O assunto ficou entre os mais comentados da rede social no domingo.

“Na próxima vez que alguém sugerir ir ao Coco Bambu, pergunte: ‘Aquele que celebrou as 100 mil mortes do Bolsonaro?”’, escreveu um usuário do Twitter. ”Eu até gosto da comida de lá, mas vou boicotar com prazer”, declarou outra pessoa. ”Já comi nesse Coco Bambu e não como nunca mais. Boicote já!”, afirmou mais um usuário. Confir a seguir alguns comentários.

Veja também

+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Garçonete demitida por ciúmes agora fatura com fotos sensuais
+ Chef Henrique Fogaça fecha restaurante no RJ e demite 200 funcionários
+ Torta de sorvete é sobremesa para fazer no fim de semana