Noticias

Cidade italiana é acusada de racismo por proibir kebabs

Foto: iStock

da redação da Menu

A cidade de Vicenza, no norte da Itália, está sendo acusada de xenofobia por tentar proibir o funcionamento de restaurantes de kebabs e outros comércios cujos donos ou frequentadores são imigrantes. A acusação surgiu após a cidade apresentar um projeto para revitalização do centro histórico de Vicenza, que é considerado patrimônio cultural da Unesco.

+Presidente da Abracerva renuncia após vazamento de mensagens racistas
+Mulher é presa por chamar funcionária de restaurante de ‘macaca’
+Cervejaria negra de Porto Alegre é alvo de ataques racistas

Pelas regras do novo plano, por exemplo, fica proibida a venda de carne importada. A maioria dos restaurantes de kebab, no entanto, trabalha com carnes com certificação halal, que atende às exigências do Islã, religião da maior parte de seus donos. O projeto ainda pretende proibir a venda de bijuterias, produtos étnicos ou usados.

Segundo a prefeitura de Vicenza, o plano tem a intenção de “melhorar o nível das pessoas que transitam pelo centro histórico”. De acordo com reportagem do portal UOL, a proibição inclui outros comércios voltados a imigrantes e pessoas de baixa renda, como lojas de celulares e restaurantes de redes de fast-food.

O plano de revitalização do centro histórico ainda precisa ser aprovado pelos vereadores da cidade. A previsão é que a proposta seja validada com folga pelos parlamentares da cidade italiana.

Veja também

+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Garçonete demitida por ciúmes agora fatura com fotos sensuais
+ Chef Henrique Fogaça fecha restaurante no RJ e demite 200 funcionários
+ Torta de sorvete é sobremesa para fazer no fim de semana