Noticias

Militares compraram picanha e cerveja com dinheiro público

Foto: iStock

Não é só com leite condensado que o governo federal gastou milhões de reais. Levantamento feito por deputados federais do PSB aponta que os comandos das Forças Armadas adquiriram, por meio de licitação, cerca de 80 mil unidades de cerveja e mais de 700 mil quilos de picanha. Foi constatado ainda o superfaturamento de alguns desses produtos em mais de 60%.

+Governo Bolsonaro comprou leite condensado suficiente para fazer 6,8 mil pudins por dia
+Governo Bolsonaro gastou R$ 15 milhões só com leite condensado em 2020
+Aprenda a fazer receita de pavê de leite condensado

Com base nos dados levantados, o grupo apresentou denúncia à Procuradoria-Geral da República (PGR) contra o governo federal, informa o jornal “O Estado de Minas”. As compras revelam “o uso de recursos com ostentação e superfaturamento” e a “falta de zelo e responsabilidade com o dinheiro público” por parte das Forças Armadas, afirmaram os parlamentares na denúncia apresentada.

Segundo o levantamento, foram compradas 500 garrafas da cerveja Stella Artois, no valor de R$ 9,05, cada; 3 mil garrafas de Heineken, por R$ 9,80 a unidade; 3.050 garrafas de Eisenbahn pelo preço unitário de R$ 5,99; e 1.008 latas de Bohemia Puro Malte de 350 ml no valor de R$ 4,33 por unidade.

Há indícios de superfaturamento, já que os preços estão acima do cobrados nos supermercados: a Bohemia Puro Malte pode ser encontrada por R$ 2,59. No atacado, os valores das bebidas pode ser ainda mais baixo.

Em relação aos gastos com carnes, a denúncia destaca o alto custo da picanha, adquirida por R$ 118,25, o quilo. Os deputados destacaram que “não é possível conceber que agentes públicos possam estar se deleitando com banquetes e bebidas alcoólicas às custas dos cofres públicos”.

Em nota, o Ministério da Defesa afirmou que as informações sobre os gastos são “equivocadas” e que os gastos com os produtos foram de 10 a 20 vezes menores do que foi divulgado. A pasta também se defendeu dizendo que os valores citados eram de processos licitatórios homologados e não efetivamente gastos.

(*) Da redação da Menu

Veja também

+ Truque para espremer limões vira mania nas redes sociais
+ Garçonete demitida por ciúmes agora fatura com fotos sensuais
+ Chef Henrique Fogaça fecha restaurante no RJ e demite 200 funcionários
+ Torta de sorvete é sobremesa para fazer no fim de semana